Crivella abre a Copa dos Refugiados no Maracanã

Evento tem apoio da Prefeitura e é realizado pela ONG África do Coração 
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, abriu nesta sexta-feira, dia 3, no Maracanã, a Copa dos Refugiados 2018, disputada pela primeira vez no Rio de Janeiro. O prefeito recebeu no centro do gramado do estádio os representantes das oito equipes que disputarão a Copa. Coube a Crivella dar o pontapé inicial e o passe para o presidente da ONG África do Coração, Jean Katumba, um dos organizadores do evento. A Copa dos Refugiados tem o apoio da prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH).
– O Brasil conversa com todos os continentes, com todas as nações. Eu vivi dez anos na África e sei a importância que isso tem, você ser bem recebido. Portanto, isso aqui é um símbolo disso tudo. Os refugiados vivem bem no Brasil, jogam bola, se integram conosco. A união dos povos aqui é realidade –  afirmou Crivella, ao declarar aberta a Copa dos Refugiados.
Após o encontro no gramado, o prefeito e os participantes do evento seguiram para o auditório do Maracanã, onde foi realizado o sorteio dos jogos. Participam da competição atletas do Haiti, Senegal, Venezuela, Colômbia, Síria, Angola, Guiné Bissau e República Democrática do Congo.
Crivella agradeceu a presença de todos e ressaltou que o brasileiro tem em seu DNA um pouco de todos os povos. Afirmou que, se os refugiados ali presentes mudassem as roupas que os caracterizam, passariam certamente por brasileiros.
O secretário da SMASDH, João Mendes de Jesus, destacou, na solenidade, que o evento tem por objetivo dar visibilidade à causa dos refugiados, tema que, segundo ele, por muitas vezes fica distante do povo brasileiro.
– Dar protagonismo a quem escolheu o Brasil como seu segundo lar é uma forma de trazer alegria, esperança e oportunidade para os estrangeiros que enfrentam grandes dificuldades, ao tomar a decisão de deixar seu país e cultura –  afirmou.
Na solenidade, Jean Katumba informou que a Copa dos Refugiados será disputada por 100 atletas de oito seleções.  O evento já foi realizado em São Paulo e Porto Alegre e, pela primeira vez, acontece no Rio de Janeiro.
– Nós sabemos da situação do refugiado, e este evento não tem ganhador. Todos ganham –  afirmou Katumba.
Os jogos serão disputados neste sábado, dia 4, no campo do CFZ, cedido gratuitamente por Zico, ídolo do Flamengo e da Seleção Brasileira. As partidas terão início às 8h30. A entrada será a doação de um quilo de alimento não perecível. O CFZ fica na Avenida Miguel Antônio Fernandes, Nº 700 – Recreio dos Bandeirantes.
A festa de abertura da Copa dos Refugiados contou também com a presença do secretário estadual de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos, José Ricardo Ribas; do consultor da Fifa, Pedro Trengrouse; do presidente do Maracanã, Mauro Garzé; do ex-jogador Roberto Dinamite; do representante da Agência das Nações Unidas para Refugiados, Miguel Pachioni; e de Fernando Alves, representando o Sesc/Senac.

Coordenação de Comunicação da SMASDH 

About Author

Connect with Me: